PAULO NETO ENCANTA PLATEIA NO RECIFE

Paulo Neto, no seu show de lançamento do CD “Dois Animais na Selva Suja da Rua” em Recife no último dia 24/01/13, encanta plateia no Teatro Valdemar de Oliveira no 19º Janeiro de Grandes Espetáculos.

PAULO NETO CANTA BELCHIOR

Paulo Neto apresenta um show baseado na obra do cantor e compositor Belchior. Na oportunidade, ele recria a trajetória de grandes sucessos que marcaram a carreira desse grande artista. O jovem intérprete permeia entre canções de sucesso como “Apenas um rapaz latino americano”, “Como nossos pais” e “Mucuripe”, mas também passa por outras pouco ouvidas, como “Tudo Outra Vez” recém-gravada por Paulo Neto em seu primeiro CD “Dois Animais na Selva Suja da Rua”.

Paulo Neto será acompanhado pelos músicos Joan Barros, na guitarra; Ricardinho Paraíso, no baixo elétrico e Davi Gomes, na bateria. Os arranjos são assinados por Barros com o baixista Ricardinho Paraíso e o próprio Paulo Neto.

Paulo Neto Canta Belchior | Entrada Franca

Data: 27 e 28 de Outubro
Hora: Sábado às 21h e Domingo às 19h
Local: Teatro Décio de Almeida | Rua Cojuba, 45 – Itaim Bibi – SP

PAULO NETO SINTONIZA CANÇÃO POPULAR ROMÂNTICA DE MORAES EM CD-SINGLE

por Mauro Ferreira

Em 1987, Moraes Moreira flertou (com inspiração) com a canção popular romântica ao compor Sintonia em parceria com Zeca Barreto e Fred Goés. Sucesso radiofônico de Mestiço É Isso, álbum lançado pelo cantor e compositor baiano naquele ano de 1987, Sintonia ganha registro cool e estiloso de Paulo Neto. Produzida por Thiago Marques Luiz, a gravação integra o single Dois Animais na Selva Suja da Rua, lançado somente em edição promocional pelo cantor pernambucano como extensão do álbum homônimo que Neto pôs no mercado indie no primeiro semestre deste ano de 2012. Além de Sintonia, o single toca o frevo São João do Carneirinho, da lavra da compositora pernambucana Isabela Moraes. Feitas com as guitarras de Joan Barros, o baixo de Ricardinho Paraíso e a bateria de Davi Gomes, as duas gravações adicionais são inéditas e não figuram no repertório do segundo (independente) álbum de Neto.

PAULO NETO DÁ MOSTRA DO SEU DISCO DE ESTREIA

Jornal: Folha-PE
Carderno: Programa
Data: 10 de Outubro de 2012

Pernambucano radicado em São Paulo faz dois shows no Estado

por Talles Colatino

Paulo Neto se descobriu cantor quando era desenhista. Iniciou a carreira cantando em trios elétricos nas festas de Condado, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, sua cidade natal. Cantou em barzinhos por alguns anos também. E, em 2006, quando decidiu sair do interior de Pernambuco em busca de um lugar mais espaçoso para compartimentar seus sonhos, encontrou São Paulo meio que por acaso. Lá, participaria da primeira edição do reality show musical “Ídolos”, então exibido pelo SBT. Ele ficou em quinto lugar. Mas, até o lançamento do seu primeiro CD, se passariam seis anos que resultaram num profundo amadurecimento técnico e estético.

Paulo Neto divulga agora seu primeiro trabalho. Há alguns anos, o cantor havia gravado um disco de samba editado em tiragem pequena. No ano passado, foi reconhecido como melhor intérprete no “Prêmio Vale Cantar Noel”, concurso promovido pelo Prêmio da Música Brasileira. Foi esse prêmio que o reaproximou de Thiago Marques Luiz, que produz e dirige seu novo álbum, ao lado do DJ Zé Pedro. O disco será apresentado hoje no Cine Teatro Polytheama da cidade de Goiana, e amanhã no Recife, em pocket show na Casa de Seu Jorge.

Além do belo timbre de Paulo, o álbum chama atenção pelo repertório que pinça canções pouco regravadas. A intenção, explica o cantor, era mesmo montar um trabalho que o firmasse como intérprete – por isso o cuidado na escolha das canções. “Foi um trabalho minucioso, construído ao lado do Thiago Marques. Ele me apresentou algumas coisas, sugeri outras. Mas também queria que algo do disco mostrasse uma comunicação direta com o popular, que foi a minha escola”, avalia.

“Dois Animais na Selva Suja da Rua” é um álbum essencialmente pop, que coloca a voz de Paulo como protagonista. Passa por Belchior (“Tudo Outra Vez”, num arranjo realmente inspirado), João Ricardo (“O Patrão Nosso de Cada Dia”) e Taiguara (na faixa-título, mais conhecida na voz de Erasmo Carlos). O samba acena com Ataulfo Alves (“Sinto-me Bem”) e Noel Rosa (“Com Mulher Não Quero Mais Nada”) e chega ao contemporâneo através da pernambucana Isabela Moraes, que marca presença com o tango “Espetáculo” e a balada “Prova de Resistência”. Da escola popular, Paulo trouxe “Eu Vou Tirar Você Desse Lugar”, do repertório de Odair José.

No show de amanhã, no Recife, que ainda não é a apresentação oficial de “Dois Animais na Selva Suja da Rua”, Paulo Neto contará com as participações de Ayrton Motarroyos, Isabela Moraes, Ylana e Nena Queiroga.

PAULO NETO HOJE NO JORNAL DA RECORD NEWS

Não perca, hoje, dia 24 de setembro, a partir das 21h, Paulo Neto estará no jornal da Record News.

UMA ESTREIA QUE PROMETE

Jornal: Jornal do Commercio/PE
Carderno: Caderno C
Data: 05 de Setembro de 2012

por José Teles

Cercado de elogios, o pernambucano Paulo Neto lança Dois animais na selva suja da rua, canção de Taiguara, lançada por Erasmo Carlos em 1971 (por coincidência Nasi, ex-Ira! Acaba de gravá-la). Paulo Neto é espécime raro de cantor que não caiu na profissão porque também é compositor. Produzido pelo influente Thiago Marques Luiz, com direção artística do não menos influente DJ Zé Pedro, o carismático Paulo Neto se sai bem num repertório quase que inteiramente preciso. No entanto, não se pode afirmar apenas com este disco que ele já faz parte do limitado universo de vozes masculinas importantes da MPB. Afinado, bom intérprete, Paulo Neto sem chegar a ser intimista, é comedido ao soltar a voz. Tem-se a impressão de que ele pode voar mais alto.

No disco, Sérgio Sampaio, Belchior, Helena dos Santos, Noel Rosa e Ataulfo Alves, em canções raramente revisitadas, a exemplo de Sinto-me bem (Ataulfo Alves), lançada por um Nelson Gonçalves em início de carreira (1941).

Ele lança para um público maior à compositora, também pernambucana, Isabela Moraes, de quem gravou duas canções. Excelentes no disco os arranjos, com uma guitarra certeira e ao mesmo tempo discreta. CD independente, com distribuição da Tratore.

CANTO AUTORAL

Jornal: Diário do Grande ABC
Carderno: Cultura & Lazer
Data: 28 de Agosto de 2012

Paulo Neto defende lado intérprete em lançamento

por Thiago Mariano

Dois Animais na Selva Suja da Rua. Assim que ouviu o título da composição de Taiguara, Paulo Neto decidiu que esse seria o nome do seu disco. Sentiu-se um pouco assim, uma excelente voz para mostrar em um mundo no qual virtuosos intérpretes estão cada vez mais à margem. “Hoje o mercado é muito cruel, principalmente após essa onda de cantores/compositores e compositores que viraram cantores, que não têm grande voz e estão na onda porque é hype, é cult. Entro no disco me defendendo como intérprete. Hoje em dia isso não é tão natural”, pensa ele.

Pernambucano vivendo em São Paulo enquanto estuda faculdade de música, Neto viu tudo acontecer rápido entre o esboço do projeto do álbum e a sua realização.

Venceu o concurso Vale Cantar Noel, do Prêmio da Música Brasileira, em 2011 e chegou aos ouvidos do DJ Zé Pedro e do produtor Thiago Marques Luiz. Assim que se sentaram em um bar, resolveram gravar. “A gente precisava do disco rápido. O Zé Pedro achava que eu tinha que ter um trabalho para divulgar.”

O repertório se armou entre o que o intérprete já tinha na manga e as ideias dos produtores. Belchior, Noel Rosa e sua parceira pernambucana Isabela Moraes já estavam no gatilho. Sérgio Sampaio , Odair José , Taiguara e Ataulfo Alves foram içados depois.

O resgate é precioso, passeia por pepitas que ficaram relegadas nas discografias dos compositores selecionados, como em Tudo Outra Vez, de Belchior; Sinto-me Bem, de Ataulfo; e Com Mulher não Quero Mais Nada, parceria de Noel com Silvio Pinto.

Mas nada descolado do agora. “Tem várias histórias que eu contaria, são canções que gostaria de ter escrito. Intérprete canta o que quer dizer, é um artista muito autobiográfico. Esse é um registro do meu momento, igual a uma fotografia. Daqui para frente não sei o que vai acontecer. Sou feliz, estou dentro desse trabalho.”

Apesar de ter se mostrado com samba no primeiro contato com Zé Pedro e Thiago Marques, é com outras vertentes que Neto – que participou da primeira edição do programa Ídolos no SBT – mostra sua força de intérprete. Os arranjos estão bem bolados, partem principalmente de baixo, bateria e guitarra e buscam novos elementos em cada canção. Desde o pop rock da faixa homônima ao disco, chegando à lírica Prova de Resistência, o caminho traçado pelo cantor foge das obviedades e pincela bons quadros da nossa música antiga com frescor e visceralidade.

SEM AFETAÇÃO E SEM CLUBE, SURGE UMA VOZ PROMISSORA

Jornal: O Estado de S. Paulo
Carderno: C2+música
Data: 25 de Agosto de 2012

por Lauro Lisboa Garcia

Além da voz bonita, potente, afinada e sem afetação, Paulo Neto tem de atrativo a criteriosa escolha do repertório do CD Dois Animais na Selva Suja da Rua (produzido por Thiago Marques Luiz, com direção artística do DJ Zé Pedro) e a capacidade de dar frescor a canções consagradas por nomes de peso, como Roberto Carlos, Secos & Molhados, Odair José e Belchior (a versão de Tudo Outra Vez é das mais bonitas do álbum). Ao mesmo tempo, vem com achados do baú, como Com Mulher Não Quero Mais Nada (Noel Rosa) e Sinto-me Bem (Ataulfo Alves), esta em melancólica versão que valoriza mais a letra, bem diferente da que Nelson Gonçalves fez em 1941. Além do mais, joga luz sobre Isabela Moraes, de quem gravou duas canções, com destaque para a balada Prova de Resistência. Mesmo cantando compositores de origens e estilos variados, como Taiguara (autor da canção-título do CD, gravada por Erasmo Carlos em 1971), Cléo Galanth e Sérgio Sampaio, além dos citados, Paulo consegue unidade com uma linguagem definida na linha do pop-rock-samba-soul setentista e pela naturalidade com que transita dentro dessa diversidade. Eis que deslancha esse promissor cantor pernambucano, por fora de qualquer clubinho.

PALAVRAS DO JORNALISTA LAURO LISBOA GARCIA SOBRE O SHOW DE LANÇAMENTO

Já tinha gostado do CD “Dois Animais na Selva Suja da Rua” (mesmo nome da música de Taiguara que abre o disco) e fui ver o show. Virei fã. Eis que surge um promissor cantor na terra dominada pelas vozes femininas. Seja em achados obscuros, canções novas ou consagradas, ele as transforma e as interpreta com garra e naturalidade fluente, conduzindo-as por traçados surpreendentes.

Clássicos cult como “Tudo Outra Vez” (Belchior), “Velho Bandido” (Sérgio Sampaio) e “O Patrão Nosso de Cada Dia” (João Ricardo) ressurgem com frescor animador em sua voz. “Com Mulher Não Quero Mais Nada”, de Noel Rosa, e “Sinto-Me Bem”, de Ataulfo Alves, brotam como novas. E ele ainda revela a compositora pernambucana Isabela Morais, sua conterrânea, de quem gravou duas belas canções, com especial dedicação à balada “Prova de Resistência”.

Acompanhado de uma banda coesa, ele faz pop com pegada roqueira e acento soul setentista sem apelar para o comercial, embora seja “acessível”. Afinado, de timbre vocal lindo, estiloso sem afetação, criterioso na escolha do repertório, carismático, inteligente e fora de qualquer panela, Paulo Neto é a revelação vocal brasileira de 2012. Fiquei feliz por essa descoberta, graças a Thiago Marques Luiz e DJ Zé Pedro, que apostaram certeiramente nele. Vou acompanhar de perto.

MPB SEM (D)EFEITOS

Jornal: Estado de Minas
Carderno: Cultura em Movimento
Data: 21 de Agosto de 2012

por Kiko Ferreira

Quando se fala da origem pernambucana do cantor Paulo Neto, oouvinte de primeira hora se prepara para ouvir influências demanguebit ou recriação de algum sotaque regional, tribal ou folclórico. Mas basta o primeiro minuto da faixa de abertura de Dois animais na selva suja da rua, seu segundo CD, para tirar da cabeça a expectativa inicial.

Um dos candidatos pouco valorizados do programa Ídolos e intérprete reconhecido na 22ª edição
do Prêmio da Música Brasileira, comumareleitura charmosa de Silêncio de um minuto, de Noel Rosa, Paulo Neto se revela um intérprete cuidadoso e um cantor que procura fugir de facilidades e clichês.

Com 30 anos de idade e jeito de quem tem cinco anos a menos, ele estreou em disco em 2010, com Sambaeucanto, e agora parte paraumrepertório alternativoemuitobemselecionado, demonstrando ter ouvido e gosto refinados. Gravado “ao vivo” emdois dias de setembro do ano passado, no estúdio Curumim, o CD revela um cantor afinado, semvibrato desnecessário, capaz de fugir da tentação de demonstrar capacidade de extrapolar limites ou de tentar releituras “definitivas”, comoécomumaos colegas de profissão.

Depois de ouvir as 11 faixas do disco, vale o clichê: Paulo põe sua voz a serviço da música e de seus autores. E o ouvinte ganha comisso.Decara, consegueofeito de ultrapassar Erasmo Carlos na interpretação da música-título, uma delícia que Taiguara escreveu paraoTremendão cantar em 1971.Omesmo ele faz para
Do outro lado da cidade, umadas composições mais desencanadas da carreira do rei Roberto Carlos.

Tudo outra vez, um “lado B” de Belchior que andava esquecido, ganha novo sentido na voz calma e na dicção meticulosa de Paulo Neto. Ajuda quem não se dábemcomotimbre peculiar do cearense, assim como faz com
outro de voz nem sempre apreciada, Odair José, aqui enobrecido com uma leitura leve de Eu vou tirar você desse lugar. Reafirmando sua vocação para o samba, ele se dá bemnumNoel pouco conhecido, Com mulher não
quero mais nada, e terminaodisco com Sinto-me bem, que aproxima o autor,omineiro Ataulfo Alves,douniverso aerado de Paulinho da Viola.